Os Parangolarps

Larp é live action role play. Ação viva + jogo com papéis.

Ação viva. Um gesto consciente e transformador. Um movimento intencional em direção ao mundo.

Jogo com papéis. Uma dança com nossas múltiplas identidades cotidianas. Uma torção, experimentação, subversão, maravilhamento. Sermos nós mesmos – mas diferentes.

E os parangolarps. A manipulação determinada dos papéis no microcosmo da ação, para recompartilhar as possibilidades do mundo.

As coisas como são agora não passam de uma das alternativas. O mundo – local e globalmente, ao toque ou de longe – pode ser diferente.

Parangolarps. Uma baldeação entre o larp, as obras de arte de vestir de Hélio Oiticica e as Zonas Autônomas Temporárias de Hakim Bey. Pelo rompimento das fronteiras entre jogo, arte, revolução e realidade.

O jogo, a arte e a revolução não como antíteses, mas como constituintes da realidade.

Porque a realidade como está aí é apenas uma das possibilidades da existência.

********

Desde agosto de 2019, os parangolarps são espalhados em ônibus, trens do metrô, bibliotecas, bares e outros espaços públicos de São Paulo de maneira anônima.

São microrroteiros de ações que alteram de maneira sutil, mas contundente, nossos papéis cotidianos e nossas relações com os outros.

Manifesto do Jeitinho Brasileiro

Começou como uma brincadeira, mas como brincadeira no larp é coisa séria, o Barba escreveu.

Foi na casa do Falcão, depois de algum larp (qual?), manifestando indignação meio-verdade, meio-galhofagem com a reivindicação dos italianos sobre o “jeito sulista”. Meio alto p/ ser o sul, né não?

De jeito para jeitinho foi só um-dois. Minha principal vírgula ao parimento do manifesto foi justamente o título. Jeitinho brasileiro é um mamute semântico que, na época, não me parecia adequado tim tim por tim tim ao que fazemos. Malandragem, malemolência, gatunagem? Oportunismo, espertalhismo e ladroagem? Mal-resolvido. A reivindicação nacional anda em tempos complexos hoje. É brasileiro ou simplesmente periférico? Ser brasileiro é necessariamente periférico?

O Barba, contudo, chapou na ideia e materializou em palavras tec tec de teclado. Fez um trabalho horrorduca. As referências tupiniquins ficaram massa e juntaram bem com todas as extrapolações daquela noite.

Concordo com muita coisa do texto consolidado, particularmente o “jogar para somar” (um desenvolvimento orgânico do ultrapassado jogar para perder e tão óbvio que nos fugiu por tanto tempo) e o lance da ocupação, que aparece no ponto 5 e anda atualmente derivando e baldeando forte aqui na cabeça (Andarilho, noite escura da alma). O rolê do toque é mais uma reação do que uma postura ativa, e acho que vale mais debateboca sobre isso. Como exatamente atacamos o contato físico? Como fazemos dele ativação e jogo?

O texto do Barba, no junto do complexo, já me nasce histórico. No sentido de capítulo e marco. É o primeiro manifesto arremessado dos trópicos (1), no momento em que as espadas de espuma e as orelhas de elfos se erguem em colosso impávido nas terras do Ipiranga (2) e a iconofagia deglute o larp estrangeiro (3)  – quando o quarteirão do larp blockbuster será arrasado?

É o contraponto, o peito jogado para trás seguido do giro de quadril e a patada com o calcanhar do capoeira. É o o truco, em português, italiano e english: Ei, brasileiros, esse é o larp que importa por aqui! Ei, italianos, tem mais sul além do Mediterrâneo? Ei, friends, alguma coisa não tá podre pra cacete na social-democracia da Dinamarca?

Ah, e o trabalho gráfico do Falcão com as ilustras do J. Carlos são de torcer o rabo do bonobo também!