Uma tarde no museu

um larp por Luiz Prado

Uma tarde no museu é um larp para 3 pessoas, com duração sugerida de 15 minutos, sobre nosso relacionamento com as artes e o cuidado com o outro.

Nesta experiência, as pessoas representarão personagens criados por elas mesmas e se relacionarão umas com as outras através deles, procurando falar, agir, pensar e sentir como seus papéis. No larp, não existe roteiro definido para a ação: a interação acontecerá de improviso, criada a partir das ideias e respostas de um participante para o outro.

Em Uma tarde no museu, um dos participantes representará uma obra de arte, exposta num museu qualquer. Poderá ser uma escultura, fotografia, instalação, performance, pintura ou qualquer outra forma artística. Para criar o personagem, pense sobre os conceitos que a obra expressa e quais sentimentos ela pretende evocar.

Feito isso, escreva o nome da obra e sua forma num pedaço de papel e prenda-o nas roupas, num lugar visível. Em seguida, posicione-se de acordo com a obra em que pensou. Recomenda-se uma posição confortável, possível de ser mantida até o final do larp.

Os outros participantes representarão um visitante e um monitor do museu. Esses personagens também deverão ser construídos individualmente, antes do início do larp. Sugerimos as questões abaixo para auxiliar esse processo:

Visitante
– Qual é a escolaridade ou formação acadêmica do personagem?
– Qual é a profissão do personagem?
– Qual é a relação do personagem com as artes em geral?
– Por que o personagem está visitando o museu?

Monitor
– Qual é a escolaridade ou formação acadêmica do personagem?
– Por que o personagem trabalha no museu?
– Como o personagem realiza seu trabalho? Ele é um transmissor de conhecimentos ou prefere dialogar com as ideias dos visitantes? Ele é impositivo ou instigador? Dá atenção para escolas artísticas, datas e nomes ou prefere trabalhar a bagagem e as impressões do público?

O larp começa quando o visitante e o monitor aproximam-se da obra. Eles então irão conversar sobre ela, analisando-a e discutindo-a. É importante que os dois procurem observar tanto os aspectos estéticos (formas, cores, linhas, suportes) quanto semânticos (o que está sendo dito) da obra.

Durante todo o larp, a interação da pessoa que representa a obra de arte com os demais deve acontecer apenas pela comunicação que a própria obra oferece. Isso quer dizer que ele não irá falar, rir ou gesticular para os outros, a menos que isso faça parte da proposta da obra.

Quando o monitor ou o visitante sugerir que vejam outra obra, o larp termina. É hora de conversar sobre a experiência.

Advertisements

6 thoughts on “Uma tarde no museu

  1. Pingback: Fotos de Uma tarde no museu | Luiz Prado

  2. Pingback: Incluindo mais participantes em Uma tarde no museu | Luiz Prado

  3. Pingback: Exercícios de preparação para Uma tarde no museu | Luiz Prado

  4. Pingback: Arte para falar de arte #1 – Os motivos de Uma tarde no museu | Luiz Prado

  5. Pingback: Uma tarde no museu, relato de um LARP |

  6. Pingback: Uma tarde no museu, relato de um LARP, por Chico Lobo Leal | Luiz Prado

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s